Archive for dezembro \23\UTC 2018

Weihnachtsbrief

23/12/2018

Weihnachtsbrief-2016-1030x772

Mein Freund. Vergiss nicht
zu Weihnachten unseres Herrn
Öffne die Türe der Güte
Zum Aufruf der Liebe

Teile die Güter die du kannst
Die Lichter der Hingabe
Kleide die Nackte. Tröste die Traurigen
Am Fest des Herzens

Aber, vergiss dich nicht,
an Jesus Gastmahl:
Folge Ihm, dem Göttlichen Vorbild
Dem Frieden, der Wahrheit und des Lichts.

Nehme eine neue Verpflichtung an
In der Weihnachtsfreude
Da die eigene Anstrengung
der Pfad eines jeden ist

Du leidest? Warte und hab vertrauen
Vergiss nicht dich zu erinnern
Dass nur der weltliche Schmerz
Uns regenerieren kann

Wurdest du verraten? Verzeihe-
Vergiss das Schlechte durch das Gute
Gott ist das Oberste Gericht
Du sollst über niemanden urteilen

Erwartest du Güter in dieser Welt
Beruhige deinen Herz
Manchmal, am Ende des Weges
Gibt es Bitterkeit und Enttäuschungen

Hattest du keine Belohnung?
Behalte diese Lehre auswendig
Die Gabe das Gute auszuführen
Ist die beste Belohnung.

Möchtest du himmlische Almosen?
Ermüde nicht, die Deinen wissen zu lassen,
Dass der Herr den Teil behaltet
Den du verdienen werdest.

Bist du am verzweifeln? Erinnere dich
In deinen dunklen Tage
An welchen du keine Hoffnung hattest
An die Lichter der Liebe Gottes.

Weihnachten… Göttliche Erinnerung
Inmitten/An aufgebrachten Plätzen.
schmiege dich an die Armen
Welche vom Himmel auserwählt sind

Aber, höre zu, Bruder! Gehe weiter
in der Verherrlichung des Herrn
Schaue ob du schon Demut besitzt
Den Saft der ewigen Liebe

Autor:  Chico Xavier- durchgegeben von Casimiro Cunha (Geistwesen) am 01.Dezember 2000 – Original text in Portugiesisch: “Carta de Natal*
Übersetzung von Sandra Fasler

Frohe Weihnachten!!!

Anúncios

O NATAL PARA ALÉM DO MITO

23/12/2018

csm_59087-Jesus_Maria_Josef_Fotolia_Renata_Sedmakova_2efb931e17

Todas as culturas têm seus mitos. Elas são importantes. São uma primeira tentativa de explicar uma realidade. Fundamentam o imaginário, as crenças, as tradições e os anseios dos povos.

A civilização judaico-cristã está repleta de mitos. A criação do mundo e do homem, obras de um deus pessoal e voluntarioso; a queda da criatura humana pelo pecado da desobediência; sua redenção, por meio de um messias, concebido sobrenaturalmente pelo espírito divino e nascido em uma manjedoura, são todos episódios que a História não registra nem poderia registrar e que não se enquadram num modelo de racionalidade e historicidade.

Atento a isso, Allan Kardec, o insigne pedagogo francês sistematizador do espiritismo, inovando no campo da espiritualidade, buscou o melhor da tradição cristã do Ocidente: o sentido autêntico da mensagem de Jesus de Nazaré, o homem. Com sensatez, separou-a totalmente dos tantos mitos, dogmas e ritos que construíram a religião cristã, para fazer dessa mensagem um referencial ético e moral compatível com a ordem natural, assectária e universal.

Quem, como ele, assim dimensionar a figura de Jesus não mais se extasiará com os mitos que o envolveram, a maioria dos quais, aliás, resultantes de um amplo sincretismo para cuja formação concorreram outros tantos mitos buscados nas tradições dos chamados povos pagãos. Valorizando o verbo, superará o mitológico e o ritualístico para assimilar o real significado da presença histórica de Jesus na Terra. Compreendendo-o como um verdadeiro homem, irmão mais velho e de maior experiência, mais facilidade encontrará para tê-lo como verdadeiro guia e modelo, esforçando-se para seguir seu exemplo.

Dentro deste espírito, a presença do Mestre Jesus em nossa cultura será permanente e eficiente. Ele nascerá todos os dias em nosso coração, em espírito e verdade. Há de ser uma constante celebração a se desdobrar pela vida.

Assim mesmo, e porque isso é da necessidade humana, é natural que elejamos um ou mais dias no nosso calendário social, para, com ênfase especial, celebrarmos a vida e os afetos, com eles confraternizando. O nascimento de Jesus é celebrado, na nossa tradição, justamente ao fim de cada ano do calendário ocidental. Por isso mesmo, o momento é oportuno para a confraternização, a reafirmação de nossos sentimentos de fé, de esperança, de amizade e de renovação de sonhos e projetos.

Nesse contexto, é também momento propício para renovar nossos laços de afeto a todos aqueles que estão conosco nessa caminhada: nossos familiares e amigos, e, particularmente, aqueles que integram nosso projeto e que, como nós, reservam boa parte de suas vidas e de seus esforços em favor do aprimoramento ético do homem, a partir do dinamismo do espírito e de sua capacidade criadora.
Cada um de nós aqui está para escrever um capítulo de uma história que não perecerá no tempo e nem se deterá no espaço, pois que tem a dimensão da eternidade. Convictos da importância transcendente da vida, no novo período que se avizinha, sejamos capazes de avançar juntos e, juntos, continuarmos derrubando os obstáculos que se antepõem à realização da história que, em conjunto, estamos escrevendo.

Texto:

Milton Medran Moreira