A Obsessão Digital e os Haters

by

(Edson Figueiredo de Abreu)

É sem dúvida alguma que o advento da internet propiciou uma modernização nas “comunicações” em suas mais variadas formas de operação, vindo a alterar expressivamente as relações humanas através de diferentes mídias sociais. O cidadão moderno, mais “antenado” como se diz, tanto em casa, como em trânsito ou ainda no local de trabalho, é bombardeado por informações as mais diversas, fazendo com que a mídia digital o influencie de forma exacerbada. Isso a tal ponto, que fez o sociólogo Zygmunt Bauman cunhar a frase “somos inundados de informação e famintos de sabedoria”.


Esta questão da “influência digital” em nossas vidas me fez refletir, se não podemos – sem o perceber – estar sendo obsidiados digitalmente. Sim, caros leitores, até que ponto sem o percebermos estamos sendo “dirigidos” digitalmente?

Lembrando a questão 459 de O livro dos Espíritos quando Kardec pergunta: – “Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?” E recebe como resposta: – “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem e vós nem o percebeis.”

Penso eu que Kardec – se vivo fosse – incluiria um apêndice à pergunta 459 e perguntaria o seguinte: – “Além dos espíritos, que outras influências sofremos em nossos pensamentos e em nossos atos?” E a resposta com certeza seria: – “Os espíritos até influem, mas, na atualidade, estes estão perdendo para o marketing de consumo, os noticiários sensacionalistas, programas de tv, influenciadores digitais e os algoritmos das redes sociais. Na verdade, para quem está inserido nas redes sociais, os algoritmos e os robôs digitais na maioria das vezes os dirigem e vós nem o percebeis”.

Vocês podem pensar que eu esteja exagerando, mas na realidade precisamos entender que, no atual mundo digital em que vivemos, somos percebidos e perseguidos pelos algoritmos, somos interpretados como números nas redes sociais, onde cada pequeno comportamento online nosso, vira um dado matemático importantíssimo para corporações e pessoas interessadas. Quando você – por exemplo – faz uma pesquisa online, percorre seus feeds sociais ou busca gêneros musicais em um aplicativo, está sendo “observado” e é posteriormente “guiado” por um algoritmo que entende seus hábitos, talvez até mais do que você, e recomenda músicas, notícias, produtos, videos e postagens que atendam seu gosto. Na verdade, cálculos matemáticos estão “influenciando” suas decisões mais do que você possa perceber. É isso que chamo de obsessão digital.

Outra coisa que é importante entender neste processo obsessivo moderno é a ação dos chamados “bots”, que são, na realidade, aplicações autônomas também conhecidas como “robôs” que rodam na Internet enquanto desempenham algum tipo de tarefa pré-determinada.

Especialistas estimam que os robôs representam mais de 60% do tráfego nas redes sociais. Eles podem ser úteis e inofensivos para os usuários em geral, mas também podem ser usados de forma abusiva por pessoas que queiram influenciar as “massas não pensantes” de acordo com as convicções de quem produz as ideias a serem propaladas. É assim que nascem as chamadas polarizações que, sem que a grande maioria das pessoas percebam, as incentivam e as fazem aderir a isto ou aquilo, por não perceberem alternativas. Ou é um ou o outro, quando na realidade, fora da bolha criada digitalmente, existem opções.


Então, caros leitores, nós, em grande maioria, estamos sendo obsidiados digitalmente e nem o percebemos, pelo contrário, até gostamos. E, interessante, como nos processos obsessivos clássicos narrados pelo espiritismo, se tentarem nos tirar isso, dificilmente aceitaremos e sofreremos, pois que adoramos, afinal essa situação nos é agradável e nos faz sentir muito bem.

Este assunto é tão sério que até alguns dos criadores dos algoritmos estão revendo suas posições e muitos, inclusive, estão assustados com o que criaram, pois acreditam que a situação saiu do controle. Eles mesmos perceberam o perigo que as redes sociais representa para si próprios e seus filhos. Vários desses criadores declaram seus medos e arrependimentos num interessante documentário da Netflix cujo título é “O Dilema das Redes”.

A sinopse de apresentação deste documentário diz o seguinte: O “Dilema das Redes” apresenta o impasse de diversos responsáveis pela indústria da tecnologia, a partir de seus próprios dilemas éticos e pessoais, já que também sofrem com o vício e as consequências do uso das redes sociais.  Para quem ainda não viu, vale a pena assistir e tirar suas próprias conclusões sobre o perigo silencioso que estamos correndo.

Outro fato que se faz necessário entender, para quem pensa por si mesmo – é claro -, é que o advento das redes sociais ajudou a amplificar o comportamento inadequado de uma boa parte das pessoas que, antes, não se arriscariam a demonstrar suas perfídias e agora se sentem encorajadas pelo anonimato. Como, nas mídias sociais existe a ilusão e ideia de uma falsa proteção, favorece a sensação de que é possível falar tudo e fazer qualquer coisa por estar “protegido” e “oculto” pela rede, como se a pessoa nunca fosse ser pega e nem responder por seus atos. Isso facilita a existência de comportamentos condenáveis e a propagação dos chamados “Haters”.


Os Haters ou “odiadores” numa tradução literal, são pessoas que praticam o que se convencionou chamar de cyberbullying. Adotando um comportamento aparentemente sem motivo, que intriga os estudiosos do assunto, os Haters não tem qualquer preocupação com ética ou moral, pois postam comentários ofensivos carregados de ódio, criticam sem muito critério tudo o que lhes parece contrário aos seus próprios interesses, porém, com conteúdo carregado de agressividade e ofensas que podem levar a consequências negativas para a vida das suas vítimas, as quais, na maioria das vezes, não conhecem pessoalmente. Inclusive, temos notícias de casos de suicídios provocados por comentários de Haters.


No pseudo anonimato, as redes sociais acabam se tornando um celeiro para pessoas covardes, desajustadas e frustradas que se sentem recompensadas em agredir, pois que enxergam ali uma oportunidade de burlar as regras, fazendo coisas que não fariam nas relações sociais francas e abertas. Já que dificilmente encontraremos, por exemplo, uma pessoa agredindo ou ofendendo outra “verbalmente” e pessoalmente, uma vez que, estando presente, o agredido pode revidar.


O interessante é que, o hater não percebe que seu comportamento desajustado pode ser fruto de frustrações vaidosas carregadas de orgulho mal trabalhado. Muitos querem fazer com que suas ideias e convicções prevaleçam sobre as ideias do outro. Se sentem os donos da verdade, a qual, inclusive, querem impor nem que seja pela força.

A situação obsessiva destas pessoas é tão intensa e absurda que algumas até criaram ou criam perfis falsos nas redes sociais, apenas para melhor destilar seu veneno sem serem realmente descobertas. É a covardia extrema e falta de moral falando mais alto.

Estes são, na realidade, espíritos imperfeitos e estagiam numa das menores escalas evolutivas apresentadas pelos espíritos a Allan Kardec (vide questões 100 a 113 de O livro dos Espíritos). Pois que dificilmente encontraremos uma pessoa “equilibrada” e “medianamente evoluída” agredindo outra por não concordar com suas ideias. Espíritos equilibrados também não impõem suas ideias, as apresenta e aguarda que as pessoas as possam absorver, cada uma no seu devido tempo, é claro!


Sem perceberem, então, os Haters dão vazão e ajudam na amplificação do processo obsessivo digital. Obcecados que estão por sua persona agressiva e seu ego inflado pela presunção, se ligam a espíritos que vibram na mesma faixa de pensamentos. Espíritos estes tão infelizes, covardes e incautos quanto o seu hospedeiro mental.

No entanto, da mesma forma que as redes sociais incentivam os incautos, também possibilita que as pessoas minimamente conscientes escolham o que querem ver, assistir, ouvir ou replicar. Assim sendo, não há justificativa para os Haters. Pois existe a possibilidade de burlar os robôs e os algoritmos nas redes sociais e até o bloqueio de pessoas, sites, páginas e grupos, aliado a alternativa de ocultar postagens indesejadas.

Então, o exercício do “livre arbítrio” na rede é o melhor antídoto contra os processos obsessivos digitais. Mas, para isso, se faz necessário que essas possibilidades de “aceitação” e “bloqueio” de processos obsessivos digitais sejam amplamente discutidas e divulgadas, a fim de ser aceito e entendido pelo maior número possível de pessoas.


Por fim, encerro este artigo convidando vocês leitores a analisarem seus comportamentos na rede e concluir se você, individualmente, pode ser enquadrado como um “obsidiado digital” ou ainda como um “hater”. E, por favor, nos seus possíveis comentários a este artigo, peço que não haja como um hater, mas como alguém ponderado que ao menos considerou como válidas as ideias aqui expostas.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: